Seguidores

Saturday, January 9, 2010

Breves considerações sobre um sonho (brief considerations on a dream)


Life is a long journey and philosophy is a long talk
(A vida é uma longa jornada e a filosofia uma conversa longa)
Thymafeus

Sinto um pequeno remorso quando falo sobre sonhos, porque sinto-me sempre tentado a ler pensamentos sobre o que outros pensaram sobre sonhos, ou sonhar pensamentos sobre sonhos. contudo, a minha maior preocupação consiste basicamente no desaparecimento do sonho como fonte de fundamentação da esperança. Homens esqueceram-se das utopias, das fantasias e dos sonhos. Como podemos voltar a sonhar e ao mesmo tempo regressar e reencontrar os saudosos desejos esquecidos na infância?
O desânimo de continuar com as coisas mais úteis na vida como brincar, conversar com um amigo de infância, crer em Deus, beijar mais, nadar e sujar-me no matope, influencia-me a querer estar constantemente neste computador a descrever como seria se eu pudesse voltar ao passado.
A guerra dos anos e o pavor do futuro guiam-nos seguramente para coisas mais firmes e inabaláveis como o dinheiro, até que percebemos que a realidade é feita de materialismo e consumismos, desnecessários? Não sei, mas até certo momento senti-me cheio de saudades de um dia em que fechei os olhos e pensei que pudesse voar para longe e ir mais longe. onde estou agora? pés na terra e sentado numa cadeira...a dor da não concretização e o caminho do desejo, sim, no final Freud e Lacan sempre tem razão.
Sonhar, todos dormimos e sonhamos, como mera rotina, representações, medos e desejos descontrolados e a ambição de um caminho não percorrido. Está tudo debaixo do iceberg, queira Deus que o o aquecimento global não traga tudo para a superfície....
Percebo então que mais vale morrer que ser assassinado.

2 comments:

Nguimba Ngola said...

O inglês diz DREAM e Eu
Deixo-me utopicamente
Retornar saudoso no
Emaranhado circuíto da nostalgia
Aonde o verbo me conduz nos doces
Momentos do outrora voando ah sonhando.

Passei
aqui
encontrei mel filosófico
na longa verbalização do discurso
para o deleite do intelecto
nem prata nem ouro
me param do desejo de tocar
as últimas causas

Abraço poéticofilosofiko

Gerson Machevo said...

Muito obrigado meu irmão Angolano!!!!
Ke nossos universos se cruzem como a poesia e a filosofia